Família
Photo of author

Como contar ao seu filho que você tem câncer

Obter um diagnóstico de câncer pode ser assustador e transformador. Mas para os pais, descobrir como contar ao seu filho que você tem câncer pode ser uma das partes mais difíceis de lidar com a notícia. Em um vídeo compartilhando publicamente seu diagnóstico de câncer em 22 de março, Kate Middleton falou sobre essa mesma dificuldade, dizendo: “Levamos tempo para explicar tudo a George, Charlotte e Louis de uma forma que fosse apropriada para eles, e para tranquilizar eles que eu vou ficar bem.”

Pode ser tentador tentar evitar totalmente a conversa, mas é essencial ser honesto sobre o que está acontecendo, porque se uma criança sentir que algo está acontecendo e não tiver detalhes, sua imaginação pode levá-la a lugares ainda mais sombrios.

“Esta é uma das conversas mais difíceis, dolorosas e delicadas, mas também uma das mais importantes que os pais já tiveram com seus filhos”, diz Hadley Maya, LCSW, assistente social clínica do Memorial Sloan Kettering Cancer Center e um coordenador do programa Conversando com Crianças sobre o Câncer. “Existe um forte instinto de proteger o seu filho da preocupação ou da dor, e isso é completamente compreensível. Mas sabemos que a comunicação aberta e honesta é benéfica tanto para os pais como para a criança.”

Quando contar ao seu filho que você tem câncer

É melhor compartilhar a notícia de um diagnóstico de câncer com seus filhos o mais rápido possível. “Crianças e adolescentes percebem as mudanças muito mais do que os pais pensam”, diz Shannon Coon, LMSW, coordenadora do programa infantil do CancerCare, que oferece aconselhamento gratuito, grupos de apoio e uma linha de apoio para pessoas afetadas pelo câncer. “E se eles não estão cientes [of the diagnosis]eles ficarão preocupados por terem feito algo errado ou chegarão a uma conclusão pior.”

Reserve um momento para processar as notícias primeiro e se preparar. Antes de conversar com seus filhos, Coon recomenda praticar o que você quer dizer ou anotá-lo para atingir o tom desejado. Considere quem você deseja que esteja presente durante a conversa e onde deseja que ela aconteça: Coon sugere um ambiente calmo, como em casa.

Como contar ao seu filho que você tem câncer

Para todas as idades, os especialistas recomendam usar explicitamente a palavra “câncer” com seus filhos, para que não haja confusão. “Isso ajudará a incentivar que as conversas futuras sejam abertas e honestas”, diz Coon. Também ajudará a esclarecer que a doença não é algo que eles possam contrair e que ainda estão seguros perto dos pais.

Ao conversar com eles, certifique-se de não fazer falsas promessas. “Você pode dizer: ‘Estou fazendo tudo que posso para melhorar, tenho toda a ajuda e apoio dos meus médicos’, mas não quer fazer promessas que não estejam sob seu controle”, diz Elizabeth Meyer , LICSW, CPCC, conselheira em Massachusetts com experiência em criação de filhos.

E não se preocupe em ficar emocionado ao compartilhar a notícia. “Processar primeiro suas próprias emoções, tanto quanto possível, é uma boa ideia”, diz Maya. “Mas se você chorar ao contar a eles, isso significa que você está modelando uma expressão emocional saudável e dizendo a eles: ‘Estamos nisso juntos e não há problema em se sentir triste ou com medo’”.

É claro que exatamente como dizer ao seu filho que você tem câncer de uma forma cuidadosa que o ajude a lidar com a notícia depende da idade dele. Leia abaixo informações de especialistas sobre as melhores práticas para diferentes estágios de desenvolvimento.

Crianças

Embora as crianças não consigam entender o conceito de doença grave, elas têm um forte medo de separação e abandono e perceberão qualquer coisa diferente que esteja acontecendo, “especialmente se a rotina mudar ou se o pai que tem câncer não for capaz de aguentar”. a criança ou buscá-la no colo”, observa Maya.

Ao conversar com essa faixa etária, ela sugere focar apenas no presente – como o que eles podem esperar hoje, quando a mamãe ou o papai voltarem para casa – e dar-lhes muito toque físico por meio de carinhos e abraços. “Diga algo muito básico, como: ‘A mamãe não se sente bem hoje e a mamãe vai ao médico para buscar ajuda’”, sugere Meyer.

Crianças de 4 a 5 anos

Embora o conceito de cancro ainda seja demasiado complexo para ser compreendido pelas crianças desta idade, Maya diz que existem muitos livros ilustrados e diagramas adequados para crianças que podem ajudar a explicar coisas como o que é um tumor. Ela até trabalhou com pais que usaram bonecas para mostrar como funciona um acesso intravenoso. Mais uma vez, ela recomenda manter a comunicação simples: “Algo como, ‘Papai está com uma doença grave. A doença se chama câncer. Os médicos do papai estão tratando-o agora e realmente acreditamos que ele vai melhorar’ (se isso for verdade).”

Crianças de 6 a 8 anos

Nesta fase, as crianças poderão ser capazes de compreender de forma geral o que é um diagnóstico de cancro, mas terão dificuldade em determinar causa e efeito. “As crianças mais novas acreditam que os seus pensamentos ou desejos podem influenciar o mundo ao seu redor”, explica Maya. “É uma parte totalmente natural do desenvolvimento infantil, mas pode, na pior das hipóteses, fazer com que a criança se sinta responsável pela doença ou mesmo pela morte dos pais”. É importante dar-lhes garantias constantes de que não são culpados pelo câncer.

Crianças de 9 a 12 anos

As crianças nesta idade podem absorver mais detalhes sem ficarem sobrecarregadas ou confusas. Especificamente, eles podem compreender causa e efeito (como o fato de que o tratamento leva à queda de cabelo) e olhar para o futuro. Dê-lhes um cronograma esperado do plano de tratamento para que saibam o que esperar e como isso os afetará. “Até mesmo a criação de coisas como um calendário de tratamento pode realmente preparar as crianças para quaisquer mudanças, especialmente na programação”, diz Coon.

Adolescentes

Quando seus filhos se tornarem adolescentes, provavelmente já ouviram falar ou encontraram alguém com câncer, seja uma celebridade ou alguém que conhecem. Portanto, é importante esclarecer os detalhes seu caso. Maya também sugere envolvê-los tanto quanto quiserem, seja dando-lhes certas responsabilidades em casa ou oferecendo-se para fazer suas próprias perguntas ao médico.

Depois da conversa

É claro que esta não é uma conversa definitiva. “Continue a manter a porta aberta e incentive seu filho a fazer perguntas a você”, diz Maya. “A verdade é que você pode não ter a resposta. Você sempre pode dizer: ‘Não sei, mas prometo que vou tentar descobrir e voltarei para você.'”

Siga o exemplo do seu filho sobre a frequência com que você menciona o câncer; apenas certifique-se de sempre mantê-los informados se houver alguma alteração que possa afetá-los. Os especialistas também recomendam atualizar sua escola para que os professores possam estar presentes para oferecer apoio e ficar atentos a quaisquer mudanças de comportamento.

Quando a criança tiver idade suficiente para compreender o conceito de morte (por volta dos 8 anos), esteja preparado para perguntas sobre o assunto. Maya sugere validar que sim, algumas pessoas morrem de câncer. “Mas então siga isso com segurança, seja lá o que for”, diz ela. Você poderia compartilhar que os médicos não acreditam que você esteja morrendo, ou mencionar o quão avançados são os tratamentos hoje, ou simplesmente reiterar que os médicos estão fazendo tudo o que podem para torná-lo saudável novamente.

Por mais estressante que seja conversar sobre um diagnóstico de câncer com seus filhos, lembre-se: as crianças geralmente são muito mais resistentes do que imaginamos. “Muitas vezes, a ansiedade que sentimos ao falar com as crianças sobre o câncer vem da nossa própria experiência vivida como adultos”, diz Maya. “Acredite que tem o potencial de realmente, sob circunstâncias terríveis, ser uma conversa que ajuda as famílias a se sentirem mais próximas e ajuda as crianças a aprenderem como tolerar experiências difíceis na vida. há coisas realmente poderosas que podem resultar disso.”

Leave a Comment